Conforme os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 se aproximam, aumenta o interesse de pessoas e empresas que querem ter produtos e serviços associados ao maior evento esportivo do mundo. Porém, o uso de marca e temos das Olimpíadas e Paralimpíadas Rio 2016 tem suas particularidades e precisa ser seguido com atenção.

À medida que o evento se aproxima, cresce o desafio do Comitê Organizador dos Jogos Rio 2016 para proteger os compromissos de proteção às marcas de propriedade do Comitê Olímpico Internacional (COI), do Comitê Paralímpico Internacional (IPC) e dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016.

O COI e o IPC têm valor crucial para o financiamento dos movimentos Olímpico e Paralímpico, respectivamente, incluindo o apoio às diversas edições dos Jogos. E as dos Jogos Rio 2016 tem igual peso para o projeto que vai ser realizado na capital carioca.

Embora haja uma grande expectativa acerca da possibilidade de uso das marcas dos Jogos Rio 2016, tal utilização só pode ocorrer em casos muito específicos e mediante condições previamente acordadas entre o Comitê Rio 2016 e seus parceiros oficiais.

Considerado a grandeza de um evento como este, é importante observar que o adequado financiamento dos Jogos depende muito do apoio de parceiros comerciais. Por isso há grandes esforços para proteger a propriedade intelectual dos Jogos, dos investimentos de patrocinadores e de seu direito de exclusiva associação com os Jogos Rio 2016.

Para evitar problemas, foram elaboradas regras acerca da aplicação das marcas ligadas ao evento. As resoluções determinam o que é permitido ou não quanto à utilização das marcas Rio 2016 e têm o objetivo de evitar campanhas de marketing de emboscada de empresas que não sejam detentoras de direitos oficiais.

O marketing de emboscada é caracterizado por qualquer tentativa intencional ou não de criar uma falsa e não autorizada associação comercial com os Jogos ou com os Movimentos Olímpico e Paralímpico, evitando que marcas sem relação com o evento se aproveitem da visibilidade que o evento gera sem pagar nada por isso. Tal medida é importante para combater que os investimentos dos parceiros oficiais sejam prejudicados.

Entre as definições apresentas, umas das questões principais se relaciona à utilização das marcas Rio 2016 em conteúdos informativos e jornalísticos. Desde que não haja exposição ou associação comercial entre o conteúdo publicado e os Jogos, o uso é permitido. Isso significa que as marcas só podem ser aplicadas para contextualizar o assunto.

Consequentemente, o uso das marcas Rio 2016 associado a qualquer tipo de propaganda e com o objetivo de promover produtos e serviços não é permitido. Assim como fazer qualquer tipo de promoção, concurso ou loteria que tenha como tema as marcas Rio 2016.

Para saber mais detalhes sobre como as marcas Rio 2016 podem ou não ser utilizadas, leia o Guia de Proteção às Marcas para o mercado publicitário e anunciantes e descubra a melhor maneira para sua empresa apoiar os jogos.